Rádio Rural AM 840

OPINIÃO

EDERSON VILAS BOAS



Jornalista
Éderson Carpeggiani Villas Bôas
Jornalista formado pela UnC Concórdia em 2007
Repórter do Departamento de Jornalismo da Rádio Rural
Repórter Esportivo da Rádio Rural
Comunicador da Rádio 96 FM




​Concórdia perde mais uma. O que está faltando para gostarem mais da nossa cidade?

Município já havia recebido a informação de que não teria o credenciamento da oncologia e agora perdeu o da hemodinâmica.
Adicionado em 05/09/2019 às 07:45:16

Sinceramente não sei o que está acontecendo com o velho Oeste catarinense! Me refiro, principalmente a nossa Concórdia. Tudo o que é pra vir pra cá, bate na trave e “reboteia” pra algum município da região. Um dia já perdemos a FATMA pra Joaçaba, deixamos de ter a regional da CELESC, que agora é subordinada a Chapecó, a HAVAN foi pra Joaçaba e Erechim e deixou Concórdia no vácuo. Não conseguimos credenciamento de oncologia, onde a referência também é Joaçaba e agora fomos derrotados para Caçador, que foi confirmada como o mais novo centro de Hemodinâmica, no Hospital Maicé.

No fim, tô até lembrando de futebol e os clássicos dos tempos do Guaycurus, que jogava com Caçadorense, Joaçaba Esporte Clube, saudoso JEC, a Chapecoense. Era só clássico, onde perdia, mas ganhava muitas outras vezes. Agora só perde. É só bola nas costas.

O que está faltando a meu ver, na política, é a mesma coisa que no futebol atualmente. Tá faltando algum político ou alguns políticos sentarem na frente do Governador e dizer: “Peraí tchê! O que tú tem contra nós lá do velho oeste querido”? “Vamos resolver isso de uma vez por todas!”.

Se não for assim, continuaremos levando de relho dos nossos vizinhos. E tendo que sair de orelha baixa.

Citei o futebol, porque o Galo do Oeste, vem ano, sai ano, os árbitros vêm aqui, dão uma bicada no Galo, que fica sem rumo e sem vaga. Por que? Porque não tem um “de gravata” que vai lá e senta com o presidente da Federação Catarinense e pede mais atenção pras bandas de cá.

Mas aí eu já fico na dúvida se vale a pena mesmo, pois, se tem carnaval, o povo reclama, se tem Anitta, o povo reclama, se tem Rua Coberta, o povo reclama, se tem uma empresa nova, o povo reclama que tem que trabalhar até mais tarde, se tem desfile de Sete de Setembro na Rua reclamam do barulho e da “bagunça” no trânsito, se fazem no Estádio Municipal, reclamam porque não tem graça.

Bom, então o negócio é não ter, que daí ninguém reclama! E continuamos tomando bola nas costas dos municípios vizinhos.





SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR




VEJA TAMBÉM

14

Mai
Ederson Vilas Boas

​O apoio aos doentes e sintomáticos é fundamental tanto quanto remédio

Não sei nem como iniciar o texto de hoje. Os últimos dias têm sido punk. Não estão sendo fáceis! O afastamento, o isolamento é até mais pesado que os sintomas da doença e a recuperação. Mas o que nos ajuda e nos faz voltar para o caminho é a força...

Leia mais

07

Mai
Ederson Vilas Boas

​Com muito cuidado, vamos nos cuidando

Como é difícil tudo isso! Como está complicada essa relação diária, falo em todos as situações. Falo sobre a pandemia do Coronavírus. Não sabemos o que pensar e quando se pensa, não temos noção de como fazer. O que estou escrevendo parece tudo sem...

Leia mais

23

Abr
Ederson Vilas Boas

​Agora é hora de salvar pessoas. Deixe a política para mais tarde

Poucas vezes escrevi sobre política e vocês, que me acompanham, pouco irão ler essa temática no meu blog ou nas redes sociais. Eu trabalho com pessoas, eu conheço pessoas e sei que as vezes falar sobre isso, será como bater em ponta de faca, ou...

Leia mais

16

Abr
Ederson Vilas Boas

Que falta faz um sorriso

Circulando nesta semana pelo centro da cidade, encontrei algumas pessoas conhecidas. E neste contato, de longe, claro, aconteceu o cumprimento cordial. Mas ele não foi igual. Infelizmente, nada está igual. Como é decepcionante não poder sorrir e...

Leia mais

09

Abr
Ederson Vilas Boas

Jornalista com orgulho

Nesta sema afoi o dia do Jornalista e eu quero agradecer a cada um que mandou mensagem. Foram dezenas. Estou na área desde 1993, quando cheguei a Rádio Rural para aprender na central técnica e fui contratado, pelo então, Clélio Dal Piaz. De lá em...

Leia mais