Rádio Rural AM 840

OPINIÃO

EDERSON VILAS BOAS



Jornalista
Éderson Carpeggiani Villas Bôas
Jornalista formado pela UnC Concórdia em 2007
Repórter do Departamento de Jornalismo da Rádio Rural
Repórter Esportivo da Rádio Rural
Comunicador da Rádio 96 FM




Derrota do Galo foi doída… Agora a pressão vai pegar

Nos próximos três jogos, Concórdia faz mais dois fora de casa.
Adicionado em 23/01/2020 às 08:06:03

A derrota do Concórdia para o Criciúma seria normal se não fosse como foi. Perder para o Tigre, ainda mais fora de casa é algo que não se pode lamentar. O problema é que o Galo jogou melhor o primeiro tempo, jogou melhor boa parte do segundo tempo e foi derrotado na pressão do adversário.

O que me preocupa é que a partir de agora a nossa sequencia é dura. Sábado contra a Chape, em casa e os dois jogos seguintes fora, contra Marcílio Dias e Joinville. Ou seja, ou vence, ou vence, o clássico. Um empate já não nos ajuda. Porque numa projeção que se faz, por ter só quatro jogos em casa, necessita fazer os 12 pontos. Aí é que está, pois das partidas no Domingos Machado de Lima, três é contra os favoritos, na minha opinião hoje: Chapecoense, Figueirense, Avaí. O outro, aqui em Concórdia é o Tubarão.

Vejo nosso campeonato ser contra Marcílio Dias, Tubarão e Juventus. O Brusque está num patamar a cima, mesmo tendo perdido na estreia. Tem mais investimento e vai brigar na parte de cima. O ruim foi a vitória do Marcílio, que jogará em casa contra o Concórdia.

Sobre a equipe, senti um bom time até que aguentou. Depois que sentiu a parte física (isso é normal devido a pré-temporada), aí valeu a experiência e a pressão do Criciúma por jogar em casa. O que falta é um atleta pra jogar ao lado de Moisés que, neste momento, é o diferencial do time. Nos falta também um criador, pois os nossos atacantes tem que receber a bola para a chance de conclusão.

Torcida será importante

A torcida vai ter que abraçar o time porque a nossa meta é terminar em 8º lugar. Falo isso, pois quero a permanência. O resto não me interessa, nesse momento. Uma nova queda seria trágico para um futuro projeto no futebol profissional tanto para o clube, patrocinadores, apoiadores, torcedores e, principalmente, os diretores que desanimariam. A permanência oxigena o trabalho.

Quero ver todos no Estádio sábado. O torcedor da Chape promete lotar o espaço destinado a eles. Todos tem que estar engajados e empolgados, pois pode ser um clássico pra incentivar, pra recuperar o time na competição .



Foto: Thiago Hockmüller





SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR




VEJA TAMBÉM

14

Mai
Ederson Vilas Boas

​O apoio aos doentes e sintomáticos é fundamental tanto quanto remédio

Não sei nem como iniciar o texto de hoje. Os últimos dias têm sido punk. Não estão sendo fáceis! O afastamento, o isolamento é até mais pesado que os sintomas da doença e a recuperação. Mas o que nos ajuda e nos faz voltar para o caminho é a força...

Leia mais

07

Mai
Ederson Vilas Boas

​Com muito cuidado, vamos nos cuidando

Como é difícil tudo isso! Como está complicada essa relação diária, falo em todos as situações. Falo sobre a pandemia do Coronavírus. Não sabemos o que pensar e quando se pensa, não temos noção de como fazer. O que estou escrevendo parece tudo sem...

Leia mais

23

Abr
Ederson Vilas Boas

​Agora é hora de salvar pessoas. Deixe a política para mais tarde

Poucas vezes escrevi sobre política e vocês, que me acompanham, pouco irão ler essa temática no meu blog ou nas redes sociais. Eu trabalho com pessoas, eu conheço pessoas e sei que as vezes falar sobre isso, será como bater em ponta de faca, ou...

Leia mais

16

Abr
Ederson Vilas Boas

Que falta faz um sorriso

Circulando nesta semana pelo centro da cidade, encontrei algumas pessoas conhecidas. E neste contato, de longe, claro, aconteceu o cumprimento cordial. Mas ele não foi igual. Infelizmente, nada está igual. Como é decepcionante não poder sorrir e...

Leia mais

09

Abr
Ederson Vilas Boas

Jornalista com orgulho

Nesta sema afoi o dia do Jornalista e eu quero agradecer a cada um que mandou mensagem. Foram dezenas. Estou na área desde 1993, quando cheguei a Rádio Rural para aprender na central técnica e fui contratado, pelo então, Clélio Dal Piaz. De lá em...

Leia mais