Rádio Rural AM 840

OPINIÃO

EDERSON VILAS BOAS



Jornalista
Éderson Carpeggiani Villas Bôas
Jornalista formado pela UnC Concórdia em 2007
Repórter do Departamento de Jornalismo da Rádio Rural
Repórter Esportivo da Rádio Rural
Comunicador da Rádio 96 FM




​A Hashtag que nos emocionou

Homenagem à mãe de Concórdia que perdeu o filho, na última semana, mostrou que todas as mães choraram juntas.
Adicionado em 27/02/2020 às 07:10:58

Não teve como não se emocionar com as homenagens feitas nas redes sociais, desde a última sexta-feira, para os pais de Concórdia que perderam o filho de forma trágica, após se acidentar em um balanço, no parque infantil, no bairro Floresta. A cada mensagem que eu lia com a hashtag #Quando uma mãe perde um filho todas as mães choram, emocionava por entender o tamanho do amor e tudo o que representa o fato “mãe e filho”.

Claro que vários pais também choraram com a tragédia. Mas mãe e filho é uma história, uma cumplicidade que iniciou ainda no ventre, onde foram nove meses unidos, somente os dois, dia após dia, hora após hora.

Um diálogo, muitas vezes por sussurros de um filho agitado e de uma mãe temerosa querendo saber se está  tudo bem naquele lugar tão pequeno, tão apertado, mas ao mesmo tempo, tão seguro. Lá dentro não tem tempo ruim, violência, tristeza, coisas do nosso cotidiano. Lá tem amor… aconchego. Não que não tenha aqui do lado de fora, mas lá, a mãe se torna onipotente para o seu filho.

Eu perdi minha mãe há quase 30 anos e ainda sinto sua falta. Neste caso, mesmo tendo sido tão cedo, a situação seguiu o rumo normal da vida. Já, o caso do pequeno Lorenzo, a história dói mais porque a vida seguiu o rumo contrário. Mas como tenho comigo: “temos que entender os desígnios de Deus”, mesmo que não consigamos, pela forma como tudo aconteceu.

Conversava com um dos Bombeiros que atendeu o acidente, (quero aqui fazer uma confidência) e, este como pai, estava arrasado pela ocorrência ter tido um triste final. Nós Bombeiros quando saímos da corporação pedimos a Deus para que tudo dê certo e consigamos fazer um bom atendimento e salvar quem estiver em dificuldade para, na sequência, voltar bem, e atender uma próxima ocorrência, onde outro paciente venha a necessitar de nossos serviços.

A hashtag #Quando uma mãe perde um filho, todas as mães choram foi e será para sempre marcante, pois mostra a união de todas as progenitoras, por entenderem que o amor e a cumplicidade entre mãe e filho é de dois seres que se uniram, literalmente, de corpo e alma.





SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR




VEJA TAMBÉM

14

Mai
Ederson Vilas Boas

​O apoio aos doentes e sintomáticos é fundamental tanto quanto remédio

Não sei nem como iniciar o texto de hoje. Os últimos dias têm sido punk. Não estão sendo fáceis! O afastamento, o isolamento é até mais pesado que os sintomas da doença e a recuperação. Mas o que nos ajuda e nos faz voltar para o caminho é a força...

Leia mais

07

Mai
Ederson Vilas Boas

​Com muito cuidado, vamos nos cuidando

Como é difícil tudo isso! Como está complicada essa relação diária, falo em todos as situações. Falo sobre a pandemia do Coronavírus. Não sabemos o que pensar e quando se pensa, não temos noção de como fazer. O que estou escrevendo parece tudo sem...

Leia mais

23

Abr
Ederson Vilas Boas

​Agora é hora de salvar pessoas. Deixe a política para mais tarde

Poucas vezes escrevi sobre política e vocês, que me acompanham, pouco irão ler essa temática no meu blog ou nas redes sociais. Eu trabalho com pessoas, eu conheço pessoas e sei que as vezes falar sobre isso, será como bater em ponta de faca, ou...

Leia mais

16

Abr
Ederson Vilas Boas

Que falta faz um sorriso

Circulando nesta semana pelo centro da cidade, encontrei algumas pessoas conhecidas. E neste contato, de longe, claro, aconteceu o cumprimento cordial. Mas ele não foi igual. Infelizmente, nada está igual. Como é decepcionante não poder sorrir e...

Leia mais

09

Abr
Ederson Vilas Boas

Jornalista com orgulho

Nesta sema afoi o dia do Jornalista e eu quero agradecer a cada um que mandou mensagem. Foram dezenas. Estou na área desde 1993, quando cheguei a Rádio Rural para aprender na central técnica e fui contratado, pelo então, Clélio Dal Piaz. De lá em...

Leia mais