Rádio Rural AM 840

OPINIÃO

SIMONE VIEIRA



Jornalista
Formada em Comunicação Social - Radialismo (Unoesc/Joaçaba). Formada em Jornalismo (UnC/Concórdia). Pós-Graduada em Análise, Escritura e Reescritura Textual (URI/Erechim). Pós-graduada em Marketing e Vendas pela FACC. Formada em Direito pela FACC.




Ela possui uma nova missão

Contadora Ingra Ohana se recupera em casa depois de levar 22 facadas
Adicionado em 19/02/2020 às 10:25:43

Basta uma olhada rápida em nossa editoria de polícia para você verificar quantas notícias relacionadas à ameaças, agressões, lesões contra à mulher. Muitas mulheres que já sofreram violência doméstica ou estão em situação de risco apresentam comportamentos comuns, percebem algo estranho, mas tentam justificar o ato do agressor. Afinal ela escolheu aquela criatura pra ser seu marido, pai dos seus filhos, e por medo das reações violentas que estes ameaçam realizar, contra a mulher e seus familiares muitas vezes "aguentam a situação". 

Violência física e psicológica é crime e normalmente acontece de forma gradativa. Geralmente começa com situações de conflitos envolvendo ciúmes de forma exagerada, xingamentos, empurrões, até a agressão física. Por mais desculpas, presentes que o agressor propicie para pedir perdão, a chance da reincidência é muito grande após a reconciliação.

Fique atenta aos sinais e denuncie, disque 180. A agressão física ou verbal destrói a harmonia da família toda, afinal os filhos sofrem juntos quando o casal possui conflitos irreconciliáveis. E nada justifica ceder aos impulsos mais primitivos, animalescos, do uso da força física, para compensar a dor que um conjuge pode ter causado, como a dor da rejeição, da perda, da troca por outra pessoa. 

A Polícia e a Justiça só fazem o que a lei permite. Ontem Serginho Primam publicou matéria de diligências, busca e apreensão de armas e averiguações relativas a denúncias de violência doméstica em Linha Vitória, hoje Ederson Villas Boas relatou mais um caso em Presidente Kenedy. E como não se comover com o vídeo feito no hospital e hoje na publicação da contadora Ingra Ohana que virou ícone da luta contra a violência doméstica. 
 
Quando houver risco iminente à vida ou à integridade física da mulher em situação de violência doméstica, ou de seus dependentes, o agressor será imediatamente afastado do local de convivência com a vítima ofendida.

Conforme a lei 13.827/2019, são facilitadas as concessões de medidas protetivas a mulheres vítimas de violência doméstica. A medida pode ser determinada pela autoridade judicial, a pedido do delegado de polícia, quando o município não for sede de comarca, pelo policial, quando o município não for sede de comarca e não houver delegado disponível no momento da denúncia. 

Não estamos aqui para julgar os agressores. Muitos deles viram os pais em casa batendo, xingando, humilhando suas mães e acreditando que isso é normal. Muitos possuem a autoestima tão baixa que se a mulher começar a se cuidar, ganhar mais do que eles, passam a rebaixá-las, desdenhando de suas capacidades ou de sua fidelidade. Muitos afirmam que se forem "deixados", a mulher não "será" de mais ninguém. A incapacidade de encontrar valor em si mesmo, faz com que a dor da rejeição seja insuportável. E  no meio de tudo isso tem a dor que os filhos, que amam, veem seus pais como espelho, são esponjinhas que absorvem tudo e vão projetar em seus relacionamentos o que viveram com seus exemplos dentro de casa, 

Não há uma solução geral. Cada caso exige uma medida diferente. Se o casamento não é para sempre, os filhos são. Mulheres busquem proteção, auxílio, apoio, atendimento psicológico e a lei não proíbe a Legítima Defesa. Homens, buscar ajuda de um profissional da psiquiatria e da psicologia pra lidar com as frustrações é sinal de força e coragem. Agressão física é no mínimo um ato de covardia. 





SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR




VEJA TAMBÉM

25

Mar
Simone Vieira

O QUE TEMOS DE MAIS PRECIOSO?

Nestes tempos de confinamento, restrições, insegurança, notícias preocupantes, somos forçados a parar para valorizar coisas que muitas vezes não damos importância.  O aperto de mão, um abraço nos mais íntimos, a liberdade de ir e vir. Só quando...

Leia mais

11

Mar
Simone Vieira

Estabilidade da gestante e licença-maternidade

De acordo com o artigo 373-A, inciso II da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), negar vaga de emprego a uma mulher que descobre estar grávida nos exames admissionais é atitude discriminatória. A Lei 9.029/95 também lista como crime por prática...

Leia mais

26

Fev
Simone Vieira

Operações financeiras mais baratas

O Banco Central (BC) lançou o sistema de pagamento eletrônico Pix, que permitirá transações como transferências e pagamentos, incluindo de contas, em até dez segundos. Os bancos e instituições financeiras com mais de 500 mil clientes deverão se...

Leia mais

05

Fev
Simone Vieira

Muros e a privacidade entre vizinhos

Um muro pode garantir certa privacidade entre residências próximas. Assim se evita que objetos vão parar no terreno do vizinho, animais, ou mesmo atividades sejam feitas com mais intimidade e privacidade. Porém, construir muros e cercas pode...

Leia mais

29

Jan
Simone Vieira

Ligações incômodas de telemarketing

Até entendemos que muitos trabalhadores precisam bater metas e é sua função ficar ligando para oferecer produtos via telefone para os consumidores, porém, quer coisa mais incômoda do que ter alguém ligando insistentemente de vários números diferentes...

Leia mais