ÁREA RESTRITA - Bem Vindo {NOME_USUARIO}




NOTÍCIAS


CONCÓRDIA

Concórdia terá duas urnas para votação do Plebisul
Movimento quero separar o sul do restante do país.


Por Luan de Bortoli
Em 06/10/2017 - 08h13 - Atualizada em 06/10/2017 - 15:39



Ocorre neste sábado, dia 07, o segundo Plebisul, a consulta pública que visa ouvir a opinião dos moradores dos três estados do sul do Brasil sobre a separação do restante do país. Conforme os organizadores, serão três mil urnas distribuídas pele menos 900 cidades do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. A votação começa às 08 da manhã e vai até as 17 horas e é uma realização do movimento separatista O sul é o meu país.

O votante terá de responder, em uma cédula de papel, Sim ou Não para a pergunta “Você quer que o Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul formem um país independente?”. São esperados mais de 1 milhão de pessoas na consulta, o que representa 5% dos eleitores da região sul. Em Concórdia, serão dois pontos para votação: uma urna no Caitá Supermercados e outra em frente ao Centro Cultural.

Sandra Parma, uma das coordenadoras do movimento em SC destaca que além da votação, há um projeto de lei de iniciativa popular, para ser apresentado ao Congresso, propondo a realização de um plebiscito oficial em 2018 sobre o assunto. “É mais uma consulta, agora um pouco mais ampla. E vem com uma nova proposta. Além da pergunta que as pessoas vão dizer sim ou não, teremos um projeto de lei de iniciativa popular solicitando ao Brasil uma consulta oficial do povo do sul. Pra votar só na pesquisa não precisa de documento, para o projeto de lei, precisa do título de eleitor”, explica.

O movimento separatista já tem 25 anos de atuação no sul do Brasil e objetiva formar um novo país principalmente por conta da corrupção que ganha cada vez mais notoriedade com revelações impactantes. Sandra pede que a população vote pois esta é uma das únicas formas de se defender dos roubos. “Quero dizer para as pessoas fazerem esse ato de democracia, fazer alguma coisa para mudar o que está se apresentando no Brasil. Não dá pra ficar a espera de um milagre. Todas as pessoas sabem que não existe salvação pro Brasil no caminho que está tomando”, comenta.

Não é a primeira vez que O Sul é Meu País realiza um plebiscito informar. Em outubro de 2016, outra consulta foi realizada. Á época, participaram 617,5 mil pessoas. E 95,75% disseram ser favoráveis à separação dos três estados do restante do Brasil. Em Concórdia, o resultado da votação foi bastante semelhante ao total obtido.



04 COMENTÁRIOS - Deixe também o seu Comentário



Genimar Pereira comentou em 06/10/2017 as 21:27:32

Esse lance de "pegar em armas" ocorrerá muito antes de qualquer revolução.
Enquanto braxzill rumamos para ter que pegar em armas para sair a rua e nos defender de qualquer um pois não sabemos de onde vem o perigo.
O debate quanto à secessão visa justamente esclarecer nosso direito a autonomia e que tipo de armas estamos dispostos a usar para nos defender.
Vivemos um tempo em que o conhecimento e informação são acessíveis a todos, o que nos dá novas armas e novos campos de batalha.
Nicolas comentou em 06/10/2017 as 14:15:24

Pergunto para quem deseja a separação do sul:
1) Você está realmente querendo para que isso realmente aconteça?
2) Você pegaria em armas para defender seus ideais?
3) Havendo uma revolução, você estaria disposto a morrer pela sua nova pátria?
4) Você estaria disposto a matar o seu irmão ou parente que eventualmente estaria contra a revolução?
Caso alguma resposta for não, essa divisão são apenas discussão de idéias que nunca irão sair do papel.
Jaime B Júnior comentou em 06/10/2017 as 12:15:51

Sei que se trata apenas de uma consulta...
Como o Brasil adota o princípio federativo, não é possível o direito de secessão. Isso significa que o vínculo entre as entidades componentes da Federação (União, Estados, Distrito Federal e Municípios) é indissolúvel. Nenhuma delas pode abandonar o restante para fundar um novo país.
A forma federativa de Estado é cláusula pétrea. Não é possível emenda constitucional. Em tese, somente uma revolução permitiria a formação de um novo Estado soberano.
Nicolas comentou em 06/10/2017 as 12:01:03

A Dilma é do RS.
Hipoteticamente se o sul se dividir ela pode ser presidentA deste novo país?
Medddddooo



© - Ideia Good - Soluções para Internet