Rádio Rural AM 840

NOTÍCIAS


Caminhoneiros

Caminhoneiros já articulam nova greve para pressionar por tabela de frete

Movimento poderá chegar à região de Concórdia.

Por Luan de Bortoli
27/11/2018 às 13h30 | Atualizada em 27/11/2018 - 08h31

Caminhoneiros podem fazer uma nova paralisação a qualquer momento. O assunto vem sendo discutido por líderes da categoria há algum tempo. O motivo é a insatisfação com a falta de fiscalização contra empresas que descumprem a tabela do frete mínimo.

A tabela do preço mínimo do frete foi aprovada pela gestão Michel Temer para encerrar a greve da categoria, que parou o país por onze dias em maio deste ano. Apesar de o governo ter cedido nessa questão, várias entidades de representação da agricultura e indústria reagiram contra o tabelamento e foram ao Supremo Tribunal Federal (STF) para pedir a inconstitucionalidade da medida.

Ivar Luiz Schmidt, representante do Comando Nacional do Transporte, diz que o governo não está cumprindo a promessa. “Estão todos [os caminhoneiros] revoltados. A questão do piso mínimo foi só uma jogada para parar a greve. Ninguém está cumprindo, e o governo não fiscaliza e tampouco multa”, afirma ele.

Segundo Schmidt, não existe uma data marcada para a nova paralisação. O representante da categoria afirma que existem leis que protegem os caminhoneiros, mas que nunca foram cumpridas – ele cita o caso da lei que prevê a jornada máxima de trabalho dos caminhoneiros. Pela lei, a jornada dos motoristas profissionais é de oito horas diárias, sendo permitidas até duas horas extras. Em caso de medida acertada em convenção ou acordo coletivo, o total de horas extras pode subir para quatro por dia.

Se a paralisação se confirmar, ela poderá chegar à região de Concórdia novamente. A reportagem entrou em contato com Charles Vivan, uma das lideranças da classe na região, que disse que a conversa sobre este assunto existe, mas ainda não há confirmação de que vai acontecer. Segundo ele, representantes tentam encontro com o presidente eleito. A intenção é terminar com a tabela. Se não houver aceno positivo, os caminhoneiros poderão iniciar novos movimentos.

Fonte: Com informações de Veja.





SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR




VEJA TAMBÉM