ÁREA RESTRITA - Bem Vindo {NOME_USUARIO}




NOTÍCIAS


AGRICULTURA

Brasil poderá ter incremento de até 5% na exportação de carne suína
Hong Kong, que hoje é o maior importador de proteína brasileira, deve manter um bom volume de compras.


Por Luan de Bortoli
Em 15/01/2019 - 07h43



O ano de 2018 foi marcado por diversas dificuldades para os suinocultores brasileiros e também para as agroindústrias. O custo de produção permaneceu em patamares elevados, a remuneração paga ao produtor não atingiu as cifras desejadas e as empresas sofreram com os reflexos das operações Carne Fraca e Trapaça, que fizeram com que países importadores das carnes brasileiras suspendessem as importações do Brasil. Em meio ao caos político, no ano passado também houve a greve dos caminhoneiros, que resultou em perdas para vários setores da economia.

Apesar do grave período de recessão atravessado pelo Brasil no ano passado, a economia deve se recuperar em 2019, gerando reflexos positivos para a produção de proteína animal. Em entrevista ao Informativo ACCS, o diretor-executivo da Associação Brasileira de Proteína Animal , Ricardo Santin, fez projeções otimistas para a suinicultura.

“Tivemos um ano de 2018 difícil por causa do bloqueio das exportações para a Rússia, mas no final do ano nós conseguimos a reabertura deste mercado. Na China vemos a Peste Suína Africana  avançar em proporções grandes. Fala-se que a China precisará importar de três a cinco milhões de toneladas de carne suína para atender a demanda. A gente já sabe que essa quantia não está disponível nos países exportadores, incluindo o Brasil.”, disse Ricardo.

“Devemos exportar muito mais do que as quase 600 mil toneladas de 2018. Infelizmente o envio de carne suína para outros países foi menor no ano passado em relação a 2017, mas em 2019 pretendemos ter patamares muito mais positivos. Como ainda dependemos verificar o panorama global, principalmente o de importação de carne suína da China, a gente ainda não fala em números. Mas se não houver nenhum episódio diferente, nós devemos ter crescimento entre 2% e 5% nos embarques de carne suína”, finalizou o diretor executivo.

Hong Kong, que hoje é o maior importador de proteína brasileira, deve manter um bom volume de compras.  A Rússia deve habilitar novas plantas para importar carne do Brasil. Espera-se exportar para a Coreia do Sul, mas há grande expectativa em relação ao México, que é também um grande importador de carne.
 

Fonte: ACCS




SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR






© - Ideia Good - Soluções para Internet