Rádio Rural AM 840

NOTÍCIAS


Concórdia

Projeto que cria cargo de psicólogo nas escolas municipais é aprovado na Câmara

Anderson Guzzatto é o autor do Projeto.

Por Luan de Bortoli
19/11/2019 às 08h06 | Atualizada em 20/11/2019 - 08h57


De autoria do vereador Anderson Guzzatto (PL), o Projeto de Lei que dispõe sobre a criação de cargo de psicólogo para o quadro de pessoal do Magistério Público Municipal de Concórdia. O documento foi aprovado por unanimidade em primeira votação nesta segunda-feira (18) na Câmara.

Conforme Guzzatto, o objetivo principal é que os profissionais possam acompanhar os alunos na escola e em sua comunidade, podendo recomendar atendimento clínico, quando julgarem necessário. Em discurso na tribuna, ele citou casos de depressão, suicídio e conflitos familiares. “Os profissionais podem atuar na questão preventiva ou corretiva, de forma coletiva ou individual. São tantas questões, de abuso sexual, drogas, que crianças e adolescentes têm enfrentado”, exemplifica.

O vereador cita que Concórdia é, atualmente, a segunda cidade em índice de suicídios no país, perdendo apenas para uma cidade do Amazonas. “É uma questão séria, devemos levar isso em conta. O propósito desse projeto é ajudar as pessoas. Não quer dizer que cada escola tenha um profissional desses, porque sabemos que tem a questão orçamentária. Mas algumas unidades específicas podem concentrar os trabalhos, que vão de encontro a uma necessidade do nosso dia a dia”, afirma.



O texto do Projeto prevê que o cargo de psicólogo terá entre outras atribuições as seguintes: “acompanhar os alunos na escola e em sua comunidade, podendo recomendar atendimento clínico, quando julgarem necessário; dar atenção especial quanto à identificação de comportamento antissocial do aluno, no que se refere a problemas de violência doméstica, assédio escolar conhecido como bullying, abuso sexual e uso de drogas”.

A segunda votação do documento ocorre em sessão nesta terça-feira (19). Se aprovado, ele será encaminhado para análise e possível sanção do Executivo.

Fonte: Assessoria Câmara





SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR




VEJA TAMBÉM