Rádio Rural AM 840

NOTÍCIAS


Justiça

Deputado Romildo Titon é condenado a 10 anos de prisão na operação Fundo do Poço

Caso teve repercussão na região.

Por Paulo Gonçalves
13/12/2019 às 22h52 | Atualizada em 15/12/2019 - 23h02


O Órgão Especial do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJ-SC) condenou nesta sexta-feira o deputado estadual Romildo Titon (MDB) a 10 anos e um mês de prisão em regime fechado dentro da operação Fundo do Poço. Dezesseis dos 25 membros do grupo acompanharam o voto da relatora, a desembargadora Soraya Nunes Lins. Houve divergência apenas na dosimetria da pena aplicada.

A condenação foi dada por corrupção (três vezes) e por promover, constituir, financiar ou integrar, pessoalmente ou por interposta pessoa, organização criminosa. A defesa ainda pode recorrer da decisão dentro do próprio TJ-SC com embargos de declaração ou em Brasília, no Superio Tribunal de Justiça (STJ).

ANÁLISE
Condenação de Titon pelo TJ é novo revés ao MDB de Santa Catarina
A denúncia envolve 37 réus. Entre eles políticos, agentes públicos e empresários. Foram três sessões até a conclusão do julgamento, incluindo uma liminar do STJ para suspensão do processo, que foi derrubada dias depois. O voto da relatora tinha 700 páginas.

Entre os demais réus, um empresário foi condenado a 17 anos de prisão, também em regime fechado. Houve mais condenações e também absolvições, segundo o TJ-SC. A coluna fez contato com a defesa de Titon e aguarda resposta.

A "Fundo do Poço" foi deflagrada em 2013 pelo Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco) do Ministério Público de Santa Catarina (MP-SC) para desmontar um grupo que fraudava licitações de implantação de poços artesianos no Meio-Oeste. A ação tramita no TJ-SC por conta do foro privilegiado do deputado estadual.

Na região

Muitas lideranças regionais foram arroladas no processo da operação "Fundo do Poço". Algumas foram absolvidas, outras condenadas. Ainda cabe recursos nas duas situações. O caso teve ampla repercussão em toda a região, envolvendo empresários e ex-prefeitos. Teve caso em que uma liderança chegou a ficar cerca de dez dias na prisão e agora foi absolvida.

Fonte: NSC Total





SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR




VEJA TAMBÉM