Rádio Rural AM 840

NOTÍCIAS


Geral

Não há previsão otimista para fim da estiagem em Concórdia

Condição de seca no município permanece neste início de semana.

Por Luan de Bortoli
21/01/2020 às 06h33


A semana começou com a continuidade da condição de estiagem para Concórdia. O cenário preocupante vem se repetindo desde o fim do ano passado, sem previsão de melhora a curto prazo. Os dados são do relatório da Epagri/Ciram, emitidos na manhã desta segunda-feira, dia 20. Conforme o órgão, eram 15 pontos nesta situação em Santa Catarina, sendo três deles em Concórdia.

No relatório de ontem, a situação havia voltado a se agravar no município. Dois pontos estavam na classificação de emergência, a pior de três. Eram eles: montante da barragem, em São Cristóvão, e Foz do Rio Claudino, na Rua Osvaldo Zandavalli. O terceiro ponto de Concórdia, presente no relatório, era a Rua Vitório Celant, no centro da cidade, em alerta.

Nesta segunda-feira, a reportagem também manteve contato com o secretário de agricultura de Concórdia, Mauro Martini, que confirmou a continuidade da condição de estiagem para o interior. Os transportes de cargas de água para algumas propriedades continuava. Somente ontem, foram pelo menos três. Em alguns dias são mais auxílios, mas a média tem sido esta desde o fim do ano passado.

Ainda conforme o secretário, não há uma previsão otimista para que a estiagem seja superada e a situação volte ao normal. Isso porque para resolver o problema é preciso de um período prolongado de chuva, o que não tem ocorrido, e nem deve acontecer nos próximos dias. No momento, são problemas localizados quanto ao armazenamento da água das chuvas.

Até agora, choveu em Concórdia, neste mês de janeiro, 106 milímetros, conforme a Embrapa Suínos e Aves, quase três vezes menos do que a chuva registrada no mesmo período do ano passado, que foi de 278 milímetros. A situação é ainda mais grave uma vez que a segunda quinzena de dezembro também registrou menos chuva do que se esperava, acumulando cerca de um mês com precipitação abaixo do normal.





SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR




VEJA TAMBÉM