Rádio Rural AM 840

NOTÍCIAS


Agropecuária

Preço do suíno pago ao produtor tem 1º aumento do ano nesta quarta

Setor passa por um dos melhores momentos dos últimos anos.

Por Luan de Bortoli
04/03/2020 às 06h29 | Atualizada em 04/03/2020 - 08h21


Passados dois meses de 2020, e superado o carnaval, o ano começa de fato. Para o setor da suinocultura, esta é uma verdade na prática, pelo menos no que diz respeito ao preço pago pelo quilo do suíno vivo. É que a Cooper Central Aurora anunciou para esta quarta-feira, dia 04, o primeiro aumento do ano no valor do produto pago ao produtor. O acréscimo é de dez centavos.

Conforme as informações anunciadas pela empresa, o novo valor será de R$ 4,30, contra os R$ 4,20 praticados desde 25 de novembro do ano passado. Este aumento segue a alta histórica alcançada em 2019. Em novembro, quando o valor atingido foi de R$ 4,10, o setor comemorou o maior preço já pago ao produtor, confirmando um dos melhores momentos para os suinocultores.

O presidente da Associação Catarinense de Criadores de Suínos (ACCS), Losivânio de Lorenzi, analisa a melhora no preço. “Com a demanda toda que tivemos, em especial daChina, que houve procura muito grande por importação da carne suína de Santa Catarina, pelo diferencial que temos, fez com que o preço subisse bastante. Hoje temos também os EUA e Japão como quinto e sexto na exportação”. 

O presidente destaca, no entanto, que também houve altas no custo do produtor. “Outra coisa que temos que olhar é o preço dos grãos, que tem subido, com o dólar a 4,50 todos os dias, os produtos também são importados para a produção de suínos, o que traz um custo maior para o produtor. Apesar de estar bom o preço, mas diminuiu a margem de lucro pelo alto custo de produção”.

Bom momento, mas com disparidades

Lorenzi lembra ainda que este é um dos melhores períodos já vividos pelos produtores nos últimos anos. “Eu acredito muito que vai ser um ano muito promissor. Teremos anos promissores, desde que resguardada a sanidade do nosso rebanho. E é isso que precisamos cada vez mais olhar, a sanidade, para a gente continuar atendendo esse mercado mais exigente, e, claro, sempre levando para o nosso consumidor produto de extrema qualidade”.

Apesar do período positivo, ainda há disparidades no setor se comparado com o mercado independente, frisa o presidente. “Eu vejo que temos muito a melhorar dentro dessa questão de integração preço pago ao produtor, quando comparado com o mercado independente. Hoje, o mercado independente está numa média de R$ 5,60 na região Oeste, R$ 5,60 na região Sul. E isso dá uma diferença de um real quando se faz essa comparação”.

Os demais frigoríficos também deverão reajustar o preço pago ao produtor nos próximos dias. A expectativa do setor é que o ano continue com bons resultados e, especialmente, preço em alta para os produtores. Há uma tendência de que nos próximos meses o valor passe por outros reajustes. 





SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR




VEJA TAMBÉM