Rádio Rural AM 840

NOTÍCIAS


Região

Pesquisa mostra queda de empregos no Alto Uruguai com o período de quarentena

Dados foram apresentados pelo Observatório da Imprensa da FIESC.

Por Paulo Gonçalves
23/04/2020 às 18h13

O Observatório da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC) realizou uma pesquisa para detectar os impactos causados pelo Coronavírus (Covid-19) em todas as regiões do estado. No Alto Uruguai, de um total de 1.176 unidades industriais, foram ouvidos 35 empresários. O levantamento mostra, por exemplo, a evolução do número de empregos nas mais diversas atividades industriais da região.

Alimentos -  01%

Construção Civil - 26%

 Madeira - 20,9%

 Móveis -  23,9%

 Indústrias diversas -  17,2%

bens de Capital - 29%

Cerâmica 0%

Plásticos - 30%

Metalmecânica - 18,7

Gráfica 0%

Automotiva - 39%

Confecção – 7%

Produtos químicos - 60%

Equipamentos elétricos- 41,70%

Bebidas- 29,3%

Metalúrgica- 30%

 

Medidas defendidas pelo setor industrial no Alto Uruguai

 

28,57% entenderam que havia a necessidade isolamento vertical

14.29% defendem o retorno às atividades de maneira gradual

14.29% destacaram a flexibilização na concessão de crédito

11,43% defendem mais benefícios fiscais

5,71% Transparência 5,71%

 

Medidas já tomadas pelas empresas para minimizar os efeitos da crise

29,9%  aumento dos cuidados com a higiene

20% campanhas de conscientização

19% férias coletivas

7,27% redução da carga horária

6,36 férias antecipadas

6,36 rodízio de funcionários

 

O vice-presidente da FIESC, para o Alto Uruguai, Álvaro Luis de Mendonça, entende que os números comprovam que os impactos do período de quarentena foram significativos na região. “As demissões nos preocupam. Vamos esperar que, com a retomada dos trabalhos, as indústrias se recuperem e os empregos sejam restabelecidos”, observa. “Outro ponto que chama a atenção é que as indústrias estão muito atentas às medidas de precaução contra o coronavírus. Isso mostra o comprometimento dos empresários com a saúde de seus colaboradores”, conclui.





SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR




VEJA TAMBÉM