Rádio Rural AM 840

NOTÍCIAS


Geral

​Ciclone bomba supera Furacão Catarina e é considerado pior desastre com ventos de SC

Fenômeno que atingiu o Estado no dia 30 de junho superou desastre de 2004 e tornado Xanxerê em 2015

Por Ederson Vilas Boas
06/07/2020 às 06h36 | Atualizada em 07/07/2020 - 09h15


O rastro de destruição deixado pelo ciclone bomba que varreu Santa Catarina no dia 30 de junho é considerado o pior desastre com ventos da história do Estado. A Defesa Civil ressaltou, em nota meteorológica, que o fenômeno superou a destruição causada pelo Furacão Catarina em 2004, e pelo tornado Xanxerê, em 2015.

Conforme o mais recente balanço sobre o ciclone, das 11h deste domingo (5), foram 11 pessoas mortas durante o fenômeno. Ao todo, 6.548 pessoas foram afetadas em todo o Estado.

O Furacão Catarina, que deixou 14 cidades em estado de calamidade pública, provocou quatro mortes. Além disso, 33 mil pessoas ficaram desabrigadas após os ventos de até 180 km/h.

O tornado Xanxerê também deixou quatro pessoas mortas no Oeste do Estado, além de 1 mil pessoas ficaram desabrigadas ou desalojadas.Com 11 mortes confirmadas e danos e destruição em 188 municípios catarinenses, o ciclone bomba atingiu mais da metade do território catarinense (64%). “Cenários de guerra” foram deixados em cidades inteiras.

Ainda contabilizando os estragos e trabalhando na reconstrução, a Defesa Civil ressaltou que os dados preliminares apontam o ciclone bomba como o pior desastre da história de Santa Catarina.

Ventos chegaram a 134 km/h

De acordo com os dados, “o desenvolvimento e atuação de nuvens mais carregadas em formato de linha de tempestade, avançou por todo o território catarinense, começando no Oeste e terminando no leste do estado”.

Devido aos estragos, o governador Carlos Moisés decretou estado de calamidade pública, na quinta-feira (2). O objetivo é acelerar a busca por recursos para reconstrução junto ao Governo Federal.O impacto do desastre fez, ainda, com que o presidente Jair Bolsonaro visitasse o Estado no sábado (4). Ele sobrevoou parte da área atingida, na Grande Florianópolis, e garantiu estar “à disposição do governador e dos prefeitos para recuperar os problemas ocasionados pelo ciclone”.

Fonte: REDAÇÃO ND, JOINVILLE





SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR




VEJA TAMBÉM