Rádio Rural AM 840

NOTÍCIAS


Coronavírus

Aulas da rede municipal de ensino de Concórdia ainda não retornam no dia 13 de outubro

Sem previsão para a retomada, discussão é se a volta vai ocorrer ainda neste ano ou não.

Por Luan de Bortoli
15/09/2020 às 06h17 | Atualizada em 15/09/2020 - 18h18


Enquanto que na rede estadual, o retorno das aulas presenciais já está quase definido, para a rede municipal, ainda indefinições. No Estado, os alunos do ensino médio, começando pelo terceiro ano, deverão retornar no dia 13 de outubro, conforme informou o governo catarinense. Para este grupo, será um período de reforço para alunos que tiveram alguma dificuldade na aula à distância.

Como, no entanto, a rede municipal só trabalha com anos iniciais e ensino fundamental, o retorno não está contemplado. Com isso, a tendência é que a volta dos alunos de 6º a 9º ano, que compreende o fundamental 2, fique mais para frente, sem previsão de data até o momento, conforme informou o secretário de educação de Concórdia, Neuri Comin.

“A rede municipal só trabalha com educação infantil. Portanto, essa colocação do secretário de estado só contempla a rede estadual, que tem ensino fundamental e ensino médio. Os municípios, até então, mantém suas atividades de forma não presencial e não tem data prevista para o retorno. Até porque não tem decreto até agora que diga que o fundamental tem data de retorno”, explica.

A secretaria de educação espera um cronograma que deverá ser divulgado pelo estado aos municípios catarinenses. Conforme o secretário, documento deverá auxiliar e direcionar como vai funcionar a retomada do ensino para os alunos mais jovens e orientar as administrações municipais a como agir diante da volta à sala de aula.

“Quando o Estado se manifesta, ele acaba causando incertezas e dúvidas. Porque, muitas vezes, não há compreensão do que é municipal e estadual. A gente vai aguardar, se o Estado estabelecer um cronograma, a gente vai analisar, porque cada região, cada município, vai analisar como está a situação. Então não tem nada definido. O município aguarda as próximas semanas para ver se tem alguma definição”.

Ainda conforme Comin, diferente do Estado, que retorna com aulas de reforço, na rede municipal ainda não há uma definição quanto à forma de retomada. O secretário acredita que cada município, baseado em sua realidade naquele momento, vai definir se as aulas retornam para apoio de quem precisa ou já com conteúdo normal, mas sempre respeitando normas de distanciamento. 

“Nenhum um decreto diz que é só de reforço, ou um percentual. A gente trabalha na possibilidade de que, quando isso for definido, o município vai ter que regulamentar e fazer seus próprios decretos. Porque o estado, na discussão com a Undime e Fecam, diz que os municípios vão analisar como retornar e se retorna esse ano”.

Neste debate que ocorre neste momento entre prefeituras, está em discussão, ainda, a possibilidade de um não retorno das aulas presenciais neste ano. É um assunto bem distante ainda, mas a probabilidade existe, porém, a definição será feita em diversas reuniões que já vêm ocorrendo, envolvendo secretários de toda a região da Amauc, e de entidades ligadas ao ensino.





SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR




VEJA TAMBÉM