Rádio Rural AM 840

NOTÍCIAS


Geral

Estiagem: Concórdia tem cerca de 50% da produção afetada no campo

Falta de chuva também causa aumento do custo de produção do agricultor.

Por Luan de Bortoli
16/04/2021 às 07h30 | Atualizada em 16/04/2021 - 08h14


A secretaria de agricultura de Concórdia vê, a cada dia que passa, com mais preocupação a situação da estiagem no município. O secretário da pasta, Mauro Martini, diz que Concórdia está a cada dia mais distante de uma chuva expressiva e considerável que possa dar um alento ao produtor rural, que é quem mais tem sofrido com a situação que se arrasta por mais de dois anos.

Em abril, até esta quinta-feira, dia 15, Concórdia havia registrado apenas um milímetro de chuva, de acordo com a Epagri/Ciram. E, segundo o mesmo órgão, o município segue em alerta pois três dos seis pontos de níveis de rios monitorados estão em classificação de emergência para estiagem, enquanto que dois estão em alerta e apenas um normal.

“Cada dia que passa estamos mais distantes da última chuva expressiva, que foi 29 de março com 20 milímetros em 2021, ou seja, nestes meses praticamente choveu em torno de 90 mm, período onde se tinha uma expectativa de dias melhores para a segunda safra de milho, onde teríamos alimentos para o inverno e isso não ocorreu”, disse o secretário em entrevista à reportagem da emissora.

Ainda de acordo com Martini, o produtor vem sofrendo em diversas culturas e, como consequência, para gerar alimentação aos animais. “Muito milho da primeira ou da segunda safra, que seria pra grão, foi feito silagem, e o pior que esta silagem é de baixa capacidade energética ou de qualidade inferior”.

Assim como foi na estiagem do ano passado que afetou a primeira safra, agora as perdas relacionadas à segunda safra já são de 50%. Soma-se a isso ainda as perdas causadas pelos ataques da cigarrinha. Isso causou ao produtor um aumento de custos, especialmente porque ele tem tido mais gastos com a aquisição da alimentação dos animais.

“Com estas perdas de produção, e a falta de chuvas, o produtor não tem tido a oportunidade de plantio de pastagens, e as pastagens já plantadas não têm capacidade para o rebrote ou crescimento, sendo assim, para manter a produção, ele tem que recorrer a alimentação dos animais com custo elevado, pois adquirir o milho, por exemplo, teve um aumento de mais 70% se relacionar a um período de 15 meses mais ou menos”.





SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR




VEJA TAMBÉM