Rádio Rural

NOTÍCIAS


Especial

Outubro Rosa - Histórias Reais

Mulheres compartilham suas experiências

Por Simone Vieira
09/10/2021 às 07h00


Neste Outubro Rosa nossa equipe vai ouvir algumas mulheres que já enfrentaram ou estão enfrentando o câncer de mama. Nosso objetivo é compartilhar as ferramentas internas que estas utilizaram para enfrentar a doença que não possui cura. Nossa primeira entrevistada tem uma história que bem poderia ser roteiro de filme. Preservamos sua identidade, a pedido desta, mas compartilhamos sua história e suas batalhas. 

E.T.B, 55 anos, aposentada, gaúcha de Iraí e moradora de Concórdia há 35 anos teve uma vida de desafios. Aos 25 anos, ficou viúva. O marido faleceu em um acidente, deixando um filho de 2 anos e outro de apenas 43 dias. Três anos depois casou-se novamente e teve mais um filho do segundo casamento. 

A entrevistada conta que esta foi a primeira batalha enfrentada. “ Fiquei viúva muito cedo e depois vivi 25 anos de união com o segundo marido. O ex, era o que se podia chamar de relacionamento perfeito, ele era parceiro em tudo. Eu fazia tudo por ele, tinha sempre cervejinha gelada, casa arrumada.  Neste tempo, descobri uma traição dele com uma comadre, perdoei, porque amava muito ele. Depois, o celular foi a perdição da vida dele, desgraçou toda a vida do casal. Pelos filhos e pela família perdoei mais duas traições. Aceitei ele de volta e quando eu mais precisei, aos 50 anos, quando descobri o câncer de mama, ele me largou”. 

As feridas emocionais são as mais difíceis de serem curadas.  “Eu fazia mamografia todo ano, eu tinha um nódulo. Mas o médico, disse que era benigno, que eu não precisava me preocupar, chegou a desenhar a diferença entre o benigno e o maligno. Mas, de um ano pro outro, o câncer se manifestou. Troquei de médico ginecologista, e este novo médico ficou apavorado”. 

A aposentada, que nos recebeu em sua casa, contou emocionada que passou por duas cirurgias. “No meio daquelas histórias de traição do meu ex-marido, meu filho mais novo não aguentou ver tanta tristeza dentro de casa, se envolveu com más companhias e foi para o mal caminho.  Eu tive que passar por duas cirurgias pra retirada de nódulo, fiquei sem um seio. Estava me sentindo com a autoestima lá embaixo, traída, meu ex-marido cortou meu plano de saúde e não quis ajudar meu filho mais novo a sair das drogas. Graças a Deus, meus dois filhos mais velhos nunca me abandonaram, minha família, meus amigos me ajudaram muito”.

E.T.B. conta que chegou a entrar em desespero. “Meu ex-marido sempre dizia que quem abandona uma pessoa com câncer não prestava. Eu sempre pedia pra Deus, porque aquilo comigo. A morte do meu primeiro marido, eu com os filhos pequenos, trabalhei como cuidadora de idosos, diversas traições descobertas com o ex-marido, e ainda pra piorar, lutei durante um ano, coloquei a prótese e deu rejeição, tive que fazer mais uma cirurgia. Foram 8 sessões de quimioterapia que me derrubavam, não desejo nem pro pior inimigo, foram  30 sessões de radioterapia também. Só pedia que Deus acabasse com aquela dor, porque eu não tinha mais forças”.

Depois de tantas tragédias, decepções, perder 20 quilos, a aposentada conta que teve que se reerguer do fundo do poço. “Apesar de tudo, meus filhos, minha maior riqueza, nunca me abandonaram, hoje eles moram e trabalham no Rio Grande do Sul. Aqui tenho minha casa, me sustento. Eu pedi que Deus me desse paz e hoje me sinto em paz”.

E.T.B. conta como hoje tenta levar a vida. “Hoje eu tenho meus netos, adoro muito ler, sou cuidadora de um casal de idosos. Levei várias rasteiras da vida, mas, não vivo mais aquele inferno, de ter que ficar pensando, desconfiando sempre se estou sendo traída. Estou sendo passada pra trás. Vivo em paz na minha casinha. Estou trabalhando, me sustentando, questionei Deus pelo que eu estava passando, mas ninguém está livre. Tudo depende da vida que você leva. O câncer veio pra me mostrar que eu devo cuidar mais de mim”. 

A aposentada deverá passar mais 5 anos em tratamento, monitorando a doença e a cada 4 meses faz acompanhamento médico. E para todas as mulheres que leem essa matéria, assim como destacou a entrevistada: cuide de sua saúde, faça seus exames, seja a sua maior prioridade, se ame em primeiro lugar. 






SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR




VEJA TAMBÉM