Rádio Rural

NOTÍCIAS


Análise

LAERCIO GRIGOLLO : ​O FIM DO DINHEIRO..."

Por Luan de Bortoli
20/02/2022 às 13h10


Hoje existem várias formas de fazer transações financeiras sem ver dinheiro físico. o desaparecimento do papel moeda vem sendo profetizado há décadas e com a pandemia as previsões se intensificaram, mas será tão simples assim??  O dinheiro digital foi favorecido pelo cartão de débito e crÉdito, pelo pagamento instantâneo, PIX,  QR Code e hoje tendo um bom celular nas mãos você faz praticamente todos os pagamentos e transferências necessárias aos seus negócios, portanto dinheiro digital está em alta e para quem tem essas possibilidades, melhor resolver tudo sem tocar em dinheiro físico e sem precisar ir a uma agência bancária. Até porque, caro leitor, não estamos em tempos propícios para sair todo dia com uma sacola cheia de dinheiro fazendo pagamentos.

O caso é que vez ou outra a gente se pergunta: o dinheiro na forma física como é vai acabar?  Em 2018 o Banco Central apresentou uma pesquisa que apontava que o dinheiro físico era o meio preferido de 96,1% da população brasileira. Ano passado, a Fundação Dom Cabral revelou, também através de pesquisa, que esse número caiu para 53,4%. Segundo o World Payments Report, o Brasil é o quarto maior mercado a realizar transações sem dinheiro físico.  Por outro lado, em outra realidade, um em cada quatro brasileiros não tem acesso à internet, cerca de 46 milhões de brasileiros estão em off line  e em áreas rurais o índice chega a 53,5%. Para essas pessoas, meios físicos de pagamento não são uma opção mas uma necessidade. Noutro viés, e de acordo com o Banco Central, existem 8,4 bilhões de cédulas em circulação no Brasil, no valor de R$ 342 bilhões. Isso sem contar os 27,5 bilhões de moedas, equivalentes a R$ 7,2 bilhões.

Será que a gente realmente conseguiria deixar de usar esses meios físicos de pagamento?  Por si só, de acordo com as duas realidades, uma resposta única nesse momento, para a nossa pergunta, fica um tanto difícil.   Vejam que as variáveis seguem caminhos opostos, de um lado as pessoas aumentaram o uso de meios digitais para fazer transações mas do lado divergente, o pagamento exclusivamente digital está muito longe de ser uma realidade, tem muita gente em off line. Em alguns países chamados de primeiro mundo, diferentes do nosso, já permitem que lojas recusem pagamentos em dinheiro físico entretanto não o eliminaram totalmente por que em muitas situações ainda é a condição para pagamentos.

Aqui no Brasil  um projeto de lei,  PL 4068/2020 em tramitação na Câmara dos Deputados quer estabelecer  prazo para a extinção da produção, circulação e uso do dinheiro em espécie, e determina que as transações financeiras se realizem apenas através do sistema digital.  Caro leitor! Penso que será inevitável, como está sendo cada vez mais  a evolução a passos largos para o uso do dinheiro digital,  com novas formas que possibilitem maior agilidade, menor risco e mais controle sobre a circulação do dinheiro na economia e nesse ponto destaco o grande interesse do fisco sobre essa movimentação.

Entretanto me furto neste artigo de fazer previsões de tempo, penso que esse momento de ter a opção digital como única chegará mas está longe e continuará longe enquanto problemas estruturais não forem solucionados e favoreçam a mudança. Enquanto isso vamos vivendo tranquilamente entre as opções que se apresentam, pois por enquanto,  fim do dinheiro mesmo, só quando a gente não o tem mais no bolso...

LAERCIO GRIGOLLO   
CONSULTORIA EMPRESARIAL GRIGOLLO CONSULTING





SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR




VEJA TAMBÉM