Rádio Rural

NOTÍCIAS


Análise

LAERCIO GRIGOLLO: "​ROLETA RUSSA"

Por Luan de Bortoli
05/03/2022 às 06h28 | Atualizada em 04/03/2022 - 18h42


Caro leitor, o artigo de hoje não é um conto, longe de ser, na verdade é uma dura e cruel história,  mas que me permito começar como se iniciam os contos... Era uma vez um revolucionário, Vladimir Lenin, principal líder da Revolução Russa de 1917, comandou as ações políticas e bélicas e em 1922 nascia a União Soviética, a unificação das repúblicas da Rússia, Ucrânia, Bielorrússia e Transcaucásia... A União Soviética durou 69 anos. Um século depois, outro Vladimir comanda ações políticas e bélicas de sua poderosa força militar e, surpreendentemente, para nós, inocentes civis, resolve agredir de forma covarde a Ucrânia, invadindo militarmente o país vizinho, parceiro nos ideais em vários momentos da história do leste europeu e um país que não oferece nenhuma ameaça aos pretensos planos de Putin. 

Mas espere aí!!! Se não representa nenhuma ameaça, qual o motivo para uma ação militar especial como diz o próprio Putin... Por que a Ucrânia não tem o mesmo regime político do agressor? A Ucrânia mantém relações mais próximas com a Europa Ocidental? Está próxima da OTAN? Por que talvez queira  remontar a URSS?  Seja quais forem os fatos, não tem justificativa os atos agressivos e covardes de um psicopata que certamente nunca foi obrigado deixar para trás seus bens, sua família, amigos, abandonar o seu país e sua cultura e modo de viver. E que se vier a enfrentar isso algum dia, seguramente não sentirá nada,  pois psicopatas não sentem nada, nem mesmo ao ver amigos, vizinhos e familiares mortos de forma impiedosa e sem saber por qual motivo. 

O caro leitor pode até pensar que estou surtando numa dessas teorias de conspiração que às vezes entramos, mas me permita,sim, surtar e continuar a mostrar algumas coincidências que acho sutilmente interessantes além dos Vladimir, o Lenin e o Putin, e do ano 1922 para 2022, um século depois. 

Logo após a revolta dos bolcheviques e a Guerra Civil  Russa liderados por Vladimir Lenin, nascia a União Soviética com a unificação das repúblicas soviéticas que transformava a Rússia em uma nação socialista. Criada em 30 de dezembro de 1922 e dissolvida em 26 de dezembro de 1991, a União Soviética figurou durante sessenta e nove anos de existência como um dos países mais poderosos do mundo e também como a segunda maior potência militar, sempre comandada pela Rússia. A União Soviética era formada por 15 repúblicas que ocupavam metade da Europa Oriental e um terço do norte da Ásia.  No período em que existiu como estado soberano, foi o segundo maior país do mundo e a segunda potência mundial.

O fim da União Soviética foi determinado pelo desgaste do sistema socialista, que levou a crises econômicas e políticas. A União das Repúblicas Socialistas Soviéticas teve seu fim em 8 de novembro de 1991 e dissolvida em dezembro do mesmo ano. As repúblicas que formavam a União Soviética passaram a reivindicar mais autonomia e liberdade política e aos poucos foram declarando independência do bloco deixando sozinha a Rússia. Muitos Russos não gostaram nada disso!!!

O resumo histórico, caro leitor, serve para destacar que, embora extinta, a URSS deixou um legado cruel de perseguição e extermínio aos que se opunham ao sistema que foi a KGB, extinta junto com a União Soviética, a polícia secreta e política mapeava, isolava e exterminava com os desafetos do regime. E ainda ficaram algumas pessoas adeptas a tudo isso, você imagina que o tempo da extinção desse poderio todo é relativamente recente e tem uma boa parte da geração que cresceu na Rússia absoluta no comando das Repúblicas unificadas e que talvez agora no controle do poder político e militar tenham interesse em reconstituir a extinta estrutura. 

LAERCIO GRIGOLLO   
CONSULTORIA EMPRESARIAL GRIGOLLO CONSULTING





SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR




VEJA TAMBÉM