Rádio Rural

NOTÍCIAS


Análise

LAERCIO GRIGOLLO: "O PODER DE FOGO"

Por Luan de Bortoli
12/03/2022 às 06h35

O caro leitor que está acompanhando as notícias sobre a guerra da Rússia com a Ucrânia tem percebido uma reação sui generis da grande maioria dos países através de ações reais e imediatas que condenam a invasão armada, sem que tenha havido motivos para o uso da força militar e mesmo que tivessem ou não motivos, o caminho da boa intenção seria incontestavelmente o caminho da diplomacia. Entretanto, boas intenções naquele estado não é um comportamento que possa ser esperado nem tão pouco enaltecido... Mas eu me referia às ações de reação da grande maioria dos países, principalmente os que compõe a Europa ocidental e a América do norte, com o maior pacote de sanções que a Rússia já viu.

As medidas visam atingir as finanças e os bancos russos, além da implementação de um congelamento financeiro contra o país, uma avalanche de restrições e exclusões contra os russos e às regiões separatistas da Ucrânia. Na economia, na política, no esporte e nos negócios o que praticamente engessou a vida da população russa dentro e fora do país. Quando Putin diz que entende as severas  sanções como uma declaração de guerra destes países contra a Rússia ele não deixa de estar falando uma verdade. Está sendo uma declaração de guerra sem armas bélicas, sem chumbo ou sem pólvora como diriam os militares.

Dito isto, caro leitor, quero abordar esse outro pilar que é o poder de fogo, de pólvora e chumbo de cada país, a estrutura para a proteção de cada uma das soberanias dos países que compõe essa estrutura geográfica no planeta, as forças de defesa, as forças e as potências militares de cada um e que é sempre uma preocupação em momentos de tensão internacional.  O fato é que mesmo não sendo favorável ao uso da força militar, de pegar em armas para invadir, tomar, hostilizar, matar apenas pelo fato de intolerância, loucura e ambição doentia pelo poder, nestes tempos de conflito é sempre importante saber quais são os exércitos mais poderosos do planeta e qual o real poderio das forças armadas do Brasil? Como está a condição atual do Brasil se necessitar promover a defesa de seu território? 

Pois veja bem, além de participar como aliado nas duas grandes guerras mundiais, o último conflito armado que o Brasil teve foi quando o Paraguai invadiu o Mato Grosso, e isso faz tempo!!! Desde então qual a condição das forças de defesa brasileiras? Segundo o site Global Firepower, o poderio militar do Brasil é o 10º maior do mundo. O país é o segundo mais forte das Américas, perdendo no continente apenas para os Estados Unidos. Os Estados Unidos, a Rússia e a China são os países com os exércitos mais poderosos do mundo hoje. Este ranking é definido pelo Global Firepower baseado em dados como quantidade de soldados, reservistas, força aérea, equipamentos, armamentos nucleares, orçamento anual militar entre outros aspectos, como também a experiência real, ou seja, a quanto tempo o país está numa condição de “paz” ou de “ guerras”.

Por exemplo: Com um orçamento militar de 706 bilhões de dólares, os Estados Unidos tem a maior força aérea do mundo e a segunda maior Marinha, por isso é comum vermos o país envolvido em tensões e guerras fora de seu território. Além disso, são 5,5 mil ogivas nucleares disponíveis. A Índia é a quarta potencia militar do planeta, seguida por Japão e Correia do Sul respectivamente 5º e 6º, a França e sétima potência, Reino Unido a 8ª, o Paquistão a 9ª e o Brasil a décima potencia militar. Como diria o poeta de outrora num trocadilho infame, em caso de uma “copa do mundo de guerra” estes países fazem parte da elite guerreira mundial,  a série A da competição...

LAERCIO GRIGOLLO   
CONSULTORIA EMPRESARIAL GRIGOLLO CONSULTING





SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR




VEJA TAMBÉM