Rádio Rural

NOTÍCIAS


Análise

LAERCIO GRIGOLLO: "​A TRILHA DOS HOMENS..."

Por Luan de Bortoli
23/04/2022 às 06h28 | Atualizada em 22/04/2022 - 18h19


Um dia, um bezerro precisou atravessar a floresta virgem para voltar a seu pasto. Sendo um animal irracional, abriu uma trilha tortuosa, cheia de curvas, subindo e descendo colinas. No dia seguinte, um cão que passava por ali usou essa trilha para atravessar a floresta. Depois foi a vez de um carneiro, líder de um rebanho, que fez seus companheiros seguirem pela trilha torta. Mais tarde, os homens começaram a usar esse caminho: entravam e saiam, viravam à esquerda e à direita, abaixando-se, desviando-se de obstáculos, reclamando e praguejando até com razão, de caminhos tão mal traçados. Mas não fizeram nada para mudar a trilha.

Esta acabou virando uma estradinha onde os pobres animais extenuados sob pesadas cargas, eram obrigados a percorrer em três horas uma distância que poderia ser vencida em uma, se a trilha não tivesse sido aberta por um bezerro.  Muitos anos se passaram e a estradinha tornou-se o principal acesso de um vilarejo, que depois se tornou uma grande cidade e parte desse trajeto do bezerro se transformou numa grande avenida de um centro nervoso da grande metrópole. Por ela, passaram a transitar diariamente milhares de pessoas, seguindo a trilha de bezerro de centenas de anos antes.

Pois, caro leitor, minha conversa de hoje não é exatamente sobre a trilha do bezerro e sim sobre a trilha dos homens que tem a tendência por diversos motivos a seguirem, como cegos, trilhas tortuosas, íngremes e sempre mais demoradas pelos obstáculos existentes, como a trilha do bezerro irracional. Essas “trilhas de bezerros” muitas vezes habitam a própria mente dos homens, que pouco se esforçam para mudar o caminho, a direção, facilitar, simplificar, desburocratizar, criar leis mais objetivas e rigorosas desencorajando ações dos desonestos e ilegais!

São muitos os exemplos de trilhas de bezerro que ainda habitam os homens. A lei das licitações públicas para obras visivelmente urgentes! Aquelas que não necessitam de laudo comprovando, as causadas por desastres ou desgastes naturais, aquelas que não são apenas visíveis a olho, mas que impactam na rotina de vida das pessoas, uma obra de revitalização de BR por exemplo, que até ser implementada transitam meses, as vezes anos, pelas burocracias e negociatas nas escrivaninhas públicas e quando são executadas não tem qualidade, deixando a rodovia, ou a trilha dos homens, em condições muitas vezes piores do que o antes da obra, pavimentações de baixa qualidade que tornam as vias um eterno canteiro de obras, onde homens, usuários, trabalhadores, entram e saem, viram à esquerda e à direita, desviando-se de buracos, de calombos no meio da pista, reclamando e praguejando com razão, de caminhos tão mal traçados e malcuidados, muito embora na grande maioria sejam fieis pagadores de impostos obrigatórios que tem como objetivo a manutenção das vias públicas, dessas trilhas de bezerros homens.

Assim como a fábula do bezerro, um dia homens fizeram leis e nunca mais fizeram nada para melhorar, exigindo e cobrando através de fiscalizações sérias, no andamento da obra que a liga e a espessura do asfalto, que certamente figura em contrato, fossem de fato o mesmo material utilizado na execução da obra, que as empresas que descumprem os objetos contratuais das licitações sejam rigorosamente punidas, que nenhum gestor público tenha a coragem, como tem hoje, de estar mancomunado com empreiteiros desonestos, que nenhum legislador público feche os olhos, também mancomunado com o esquema...

Caro leitor, certamente de onde está o bezerro irracional, sempre quando olha para a revitalização da 153, trecho Concórdia, põe-se a rir dos homens ditos capacitados de inteligência, discernimento e honestidade...

LAERCIO GRIGOLLO   
CONSULTORIA EMPRESARIAL GRIGOLLO CONSULTING





SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR




VEJA TAMBÉM