Rádio Rural

NOTÍCIAS


Análise

LAERCIO GRIGOLLO: "SÍNDROME DE DUNNING KRUGER"

Por Redação
21/05/2022 às 10h25 | Atualizada em 22/05/2022 - 13h07

Pois, caro leitor, quem, nessa vida, não se deparou com aquele cara que tudo sabe, tudo afirma entender e de tudo fala mesmo no vazio da ciência? Quem já não esteve em rodas de conversas onde alguém ou alguns se destacam por serem os ditos intelectuais do grupo, donos da verdade e que tagarelam incessantemente fazendo um barulho enorme, porém sempre com pouco ou nenhum conteúdo, conversas vagas, chatas, intermináveis e sem clareza. Isso é realidade, caro leitor, isso existe, eles existem, incansáveis, cegos em suas ignorâncias com conhecimento superficial e vago, mas falando como se fossem doutores em qualquer assunto. Conviver com  pessoas assim é um verdadeiro teste de paciência.

Mas, veja! Isso já tem investigação, dois pesquisadores,  Justin Kruger e David Dunning conduziram vários estudos nos quais pediram que pessoas e grupos de pessoas avaliassem seu desempenho em determinada situação. A questão é que a maneira como esses indivíduos se avaliavam era matematicamente impossível. Surgia a partir daí a síndrome de Dunning Kruger, o efeito Dunning Kruger, que é o viés cognitivo pelo qual pessoas com baixa habilidade em uma tarefa superestimam sua habilidade. É o viés cognitivo que leva as pessoas que têm pouco conhecimento sobre um assunto a supervalorizar o próprio conhecimento. É o sofomaníaco, aquele indivíduo estúpido que se acha extremamente inteligente.

Você já foi vítima disso? Deduzo que sim, e imagino que é uma situação constrangedora. Todos nós tendemos a superestimar nossas habilidades. Porém, são aqueles com menos conhecimento que vão além e se consideram os experts intelectuais. Mas isso tem antídoto. E uma forma de evitar ser acometido desse fenômeno é se manter sempre lendo e se qualificando. O conhecimento é a principal ferramenta para combater a ignorância em relação à própria ignorância. Segundo estudos, a inteligência humana é uma qualidade mental, que inclui as habilidades de aprender com a experiência, se adaptar a novas situações, compreender conceitos abstratos e manipular o próprio ambiente. Uma forma de argumentar com uma pessoa que acha que sempre tem a razão é, antes de mais nada, admitir que entende o ponto de vista dela. Depois, você pode apresentar um outro ponto de vista.   

Na era das redes sociais os sabichões ganharam mais maneiras de espalhar seus discursos, acreditando serem  iluminados pela verdade. Podemos ver várias pessoas comentando sobre temas sérios sem nenhum tipo de conhecimento, julgando todos aqueles que não concordam. Qualquer notícia polêmica viraliza rapidamente nas redes sociais e provoca milhares de comentários, muitos deles sempre no viés de  brigas e mensagens agressivas direcionadas às pessoas de pensamento contrário. Perdeu-se o respeito pela opinião alheia e as pessoas tentam provar que estão certas, mesmo que tenham que abandonar a razão e apelar para o desrespeito. Sim, caro leitor, que fique claro que nestes tempos é importante manter sua posição a respeito de assuntos pautados e discutidos mas sob a perspectiva da inteligência como uma qualidade mental e não nas margens da estupidez inteligência.

LAERCIO GRIGOLLO   
CONSULTORIA EMPRESARIAL GRIGOLLO CONSULTING





SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR




VEJA TAMBÉM